11 de agostoInverno: um aliado dos tratamentos estéticos faciais

Dermatologista explica como o clima auxilia nos cuidados pós-procedimento

Quando falamos de cuidados com a pele no inverno, a necessidade de combater o ressecamento é a primeira coisa que vem à mente. Porém, essa estação não combina somente com o uso de produtos hidratantes. Esta é a melhor época para investir em alguns tratamentos estéticos, como peeling e procedimentos feitos com lasers. O motivo? A baixa incidência de sol nesse período.

De acordo com o médico dermatologista da Clínica Emagrecer, Gabriel Sampaio, a menor exposição aos raios solares permite melhores resultados para os tratamentos. “No inverno, optamos por realizar procedimentos que são ‘ablativos’, ou seja, que geram resultado através da destruição e da troca da camada superficial da pele. Fazer esses procedimentos neste período do ano reduz riscos de manchas ou outros efeitos indesejados na pele”, explica.

Ainda que a incidência da luz natural seja menor no inverno, não podemos esquecer dos cuidados com a pele, principalmente, no pós-procedimento. Cada técnica tem recomendações específicas, mas, em todos os casos, é indicado o uso de sabonetes suaves, hidratantes faciais e claro, o filtro solar.

“Em razão da posição geográfica do Rio Grande do Norte, mesmo em dias nublados existe ainda a incidência de raios solares e eles atingem a pele. Até mesmo em dia chuvoso, é importante usar protetor solar e, no caso de procedimentos feitos recentemente, é preciso seguir todas as recomendações do dermatologista para cada tipo de pele”, acrescenta Gabriel.

Mesmo nos dias mais quentes, com o isolamento social ainda cumprido por muitos diante da pandemia, muitas pessoas têm saído menos de casa e deixado um pouco de lado uma das grandes atividades de lazer do potiguar, ir à praia. Esses fatores podem ser uma brecha para aproveitar e cuidar melhor da pele.

Ainda de acordo com Dr. Gabriel, alguns procedimentos são mais indicados nesse momento. “Indicamos procedimentos mais ablativos, como laser, peeling químico, radiofrequência, microagulhamento ou IPCA (indução percutânea de colágeno com agulhas). Nesses tratamentos, a vermelhidão que pode acontecer depois estará bem mais protegida e cuidada”, disse.